Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog recolhe e organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

OS TRABALHADORES INVISÍVEIS DAS LIXEIRAS DO BANGLADESH

Mäyjo, 19.03.15

bangladesh_SAPO

O Bangladesh é o quarto país mais poluído do mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde, e Dhaka está na lista de metrópoles que ma contribuem para este indesejado prémio. Como país em vias de desenvolvimento, o Bangladesh não tem uma verdadeira estratégia ou política de gestão de resíduos, pelo que imagens como as que partilhamos na fotogaleria são habituais no país.

A lixeira situa-se em Matuail, Dhaka, e recebe o lixo de três milhões e meio de habitantes. Segundo o fotógrafo italiano Cristiano Ostinelli, responsável pelas fotografias, quase todo o lixo é orgânico, pelo que o cheiro é horrível. “A lixeira é quase toda composta por lixo orgânico, pelo que o cheiro é horrível, parece vómito”, esclareceu ao Daily Mail.

Como noutras lixeiras de todo o mundo, são as crianças que procuram objectos de maior valor nesta montanha de resíduos. “É pavoroso ver as crianças, vestidas com roupas rasgadas e algo inexplicável nas mãos. É o Inferno na Terra”, continuou Cristiano Ostinelli.

Os trabalhadores de Mutuail ganham o equivalente a €0,95 por dia mas, incrivelmente, são melhor remunerados que muitos outros profissionais. Hoje, depois da ajuda do Governo japonês, o local deixou de ser uma lixeira de céu aberto e existe algum controlo e até coerência no tipo de resíduo depositado. Todo este trabalho foi feito com Mutuali a receber 1500 toneladas de lixo por dia.

O trabalho mais duro do mundo?

Tecnologia de filtragem da NASA ajuda a criar garrafa que transforma líquidos em água potável

Mäyjo, 19.03.15

Tecnologia de filtragem da NASA ajuda a criar garrafa que transforma líquidos em água potável

A empresa suíça Öko utilizou a tecnologia de filtragem da NASA e criou uma garrafa que consegue transformar refrigerantes ou outras bebidas em água potável. Feita de materiais ultraleves, a garrafa permite assim o acesso fácil a água limpa e potável.

A garrafa produzida pela empresa suíça está disponível em três tamanhos, seis cores e três níveis de filtros, permitindo adoptar as garrafas ao tipo de filtragem pretendida. A Öko desenvolveu ainda uma patente, que incorporou nas garrafas, que impede que os resíduos se voltem a misturar com a água filtrada.

O primeiro filtro, em carbono, está preparado para reduzir o sabor a cloro e odor do líquido, transformando-o em água limpa. O segundo filtro, desenvolvido pela NASA e destinado a ser utilizado nas estações espaciais é descrito, de acordo com o Inhabitat, como “o estado da arte na tecnologia de filtragem de água”.

O terceiro filtro é concebido e produzido de forma customizada e para grandes volumes, permitindo apenas o tratamento de determinados elementos conhecidos de variados líquidos. Este último filtro é um complemento ao segundo e possuiu os mecanismos necessários para ser utilizado em ambientes extremos.

CASAL TRANSFORMA RESERVATÓRIO DE ÁGUA CENTENÁRIO EM HABITAÇÃO RURAL TURÍSTICA

Mäyjo, 19.03.15

Casal transforma reservatório de água centenário em habitação rural turística (com FOTOS)

Um casal britânico transformou um antigo reservatório de água, de 1909, numa luxuosa habitação destinada ao turismo rural. Jim e Lisa Hardy passaram 10 anos a remodelar o Cambridge Loge, que foi coberto com terra e a entrada é apenas acessível pelo telhado.

A propriedade foi adquirida à Severn Trent Water e foi requalificada tendo por base um esboço que foi desenhado na parte de trás de um envelope. O antigo reservatório é agora uma habitação com capacidade para albergar até seis pessoas e pode ser alugada a partir de €467 por semana. A nova habitação dedicada ao turismo rural fica situada perto de Matlock, no condado de Derbyshire.

“No início pensámos que poderia ser útil para arrumações. Escavámos então um dos lados e colocámos uma porta e algumas janelas e eventualmente acabámos por achar que alguém gostaria de ficar aqui”, indica Jim.

A casa está ainda equipada com aquecimento central, wi-fi e televisão inteligente com Netflix. No entanto, a casa não é aconselhável para crianças com menos de 10 anos, uma vez que o pátio elevado não possui gradeamento de protecção.

 

Visto de cima - Camiões de laranjas

Mäyjo, 19.03.15

Auburndale, Florida, USA.jpg

Camiões carregados de laranjas

Auburndale, Florida, USA

28.053367499°, -81.803594463°

 

Reboques de camiões estão cheios de laranjas, enquanto outros se encontram vazios, no estacionamento da fábrica Cutrale Citrus em Aurburndale, Florida.

Os Estados Unidos produzem cerca de 18 bilhões de quilos de laranjas a cada ano.

 

 

CALIFÓRNIA SÓ TEM RESERVAS DE ÁGUA PARA MAIS UM ANO

Mäyjo, 19.03.15

california_SAPO

O estado norte-americano vive um a seca severa há cerca de três anos e, segundo um estudo, é a pior do último milénio. Porém, as reservas de água estão a diminuir mais depressa do que se pensava. Segundo escreve o Los Angeles Times, o passado mês de Janeiro foi o mais seco desde 1895. Os satélites da NASA dão conta que as reservas subterrâneas e os níveis de neve acumulada estão em mínimos históricos e que a água disponível chegará apenas para este ano e para o próximo.

E para onde foram todas as reservas de água da Califórnia? A resposta reside nos agricultores. Cerca de dois terços das reservas subterrâneas foram utilizados pelos agricultores para irrigar as suas plantações. Foi a única opção que restou a quem subsiste da terra, já que os pontos de irrigação superficiais dos agricultores foram reduzidos em mais de 80%, escreve o Inhabitat.

Em alguns pontos do estado, como em Central Vallery, o solo está a abater mais de 30 centímetros por ano devido à secura dos terrenos.

Jay Famiglietti, cientista especializado em questões hídricas, do Jet Propulsion Laboratory, da NASA, escreve num artigo para o Los Angeles Time, que é preciso pôr um em marcha um plano de emergência, que consiste inicialmente em racionar água em todos os sectores, incluindo municipal, residencial, comercial e agrícola. Posteriormente, deverá ser implementado um programa de gestão para os recursos hídricos subterrâneos. Finalmente, o plano de actuação deve eleger um painel de líderes que criem estratégias de longo-prazo para a gestão racional dos recursos hídricos no estado.

“A gestão de água no nosso estado é complexa. Mas existe tecnologia e conhecimentos para lidar com este futuro angustiante. Vai exigir grandes mudanças nas políticas e infra-estruturas que podem levar décadas até serem implementadas”, indica o perito.

Recorde a recente entrevista de Afonso Lobato Faria, presidente da Águas de Portugal, ao Green Savers. O responsável aborda a seca na Califórnia e põe de lado um cenário provável para o mesmo fenómeno, em Portugal.

SABIA QUE HÁ CAMIÕES DO LIXO COM O INTERIOR BI-COMPARTIMENTADO?

Mäyjo, 19.03.15

Para acabar com as dúvidas e  os mitos...Recicla Mitos_Nuno Markl e Cesar Mourao

No final da semana passada, a Sociedade Ponto Verde lançou uma campanha para desmistificar algumas das dúvidas dos consumidores no que toca à reciclagem de embalagens. Desenvolvida pelos humoristas César Mourão e Nuno Markl, a campanha procura esclarecer os consumidores para alguns dos mitos associados à reciclagem, como o que, alegadamente, diz que as embalagens são misturadas dentro dos camiões do lixo.

Uma questão que, como pode ver no vídeo abaixo, é falsa. O spot, com o nome Nós Separamos e Eles Misturam Tudo, tenta desmistificar a ideia de que os resíduos depositados nos diferentes ecopontos (verde, amarelo e azul) são misturados no camião que os transporta até aos centros de recolha e triagem.

Na verdade, explica a SPV, existe um tipo de camião que recolhe os resíduos de embalagens do ecoponto amarelo e azul, cujo interior está bi-compartimentado. A sua dúvida está esclarecida? Então veja o vídeo.

INVESTIGADORES DE COIMBRA QUEREM PÔR JANELAS A PRODUZIR ELECTRICIDADE

Mäyjo, 19.03.15

janela_SAPO

E se as janelas transformassem luz solar em energia eléctrica? É isto que uma equipa internacional de investigadores – onde se destacam dois portugueses da Universidade de Coimbra – está a tentar fazer.

A equipa de investigadores do LaserLab, da Universidade de Coimbra (UC), em colaboração com investigadores da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, desenvolveu um estudo que revela que as janelas podem transformar a luz solar em energia eléctrica, “de forma mais eficiente e com custo mais reduzido do que os actuais sistemas”, como os painéis fotovoltaicos.

Pela primeira vez, os investigadores avaliaram o potencial de alguns compostos de platina (ligada a um conjunto de moléculas orgânicas) para aplicações na transformação de energia solar em electricidade, através de um método sensível de calometria fotoacústica – tecnologia única desenvolvida na UC. O método permite determinar o grão de eficiência da transferência de electrões destes compostos de platina para um material semicondutor de forma a produzir electricidade, aproveitando a energia solar.

Em comunicado, o investigador português Carlos Serpa indica que os compostos de platina estudados são candidatos promissores para aplicações na conversão da energia solar em electricidade pois “apresentam como grande vantagem a sua capacidade de intensa absorção no visível e em parte do espectro infravermelho próximo”. “Dito de forma mais simples, se pensarmos nas cores do arco-íris, estes compostos de platina têm uma forte capacidade de absorver grande parte dessas cores, especialmente a cor vermelha, a mais difícil de captar. Esta é uma característica essencial para a transformação eficiente de luz solar em energia eléctrica”, explica Carlos Serpa.

De futuro será necessário mais investigação na área, já que os que os cientistas verificaram que o “tempo de vida do composto no estado necessário para a transformação em energia eléctrica é muito curto, entrando em competição com a transferência de electrões para o circuito eléctrico”, adianta o investigador.

Os resultados da investigação, que foi financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e pelo LaserLab Europe, foram considerados “HOT Article”pela revista científica “Dalton Transactions”, da Royal Society of Chemistry, e vão ser capa da edição número 26 da publicação, que vai sair em Julho. Porém, já é possível ler o estudo online.

Foto:  smiling_da_vinci / Creative Commons

ECLIPSE SOLAR PODE PROVOCAR QUEBRAS DE ENERGIA NA EUROPA

Mäyjo, 19.03.15

eclipsesolar_SAPO

O eclipse solar de amanhã pode provocar falhas de energia em toda a Europa, de acordo com especialista da Universidade de Oxford, Inglaterra, que se baseiam no facto de 3% de toda a energia consumida no Velho Continente originar do Sol.

Segundo os cientistas, citados pelo Daily Mail, os efeitos desta ausência momentânea de Sol nunca foram estudados anteriormente, pelo que poderá existir um “efeito dominó de quebras energéticas”, caso as redes não consigam responder a tempo.

A Universidade de Oxford acredita que o eclipse levará centenas de milhares de painéis solares a diminuir ou mesmo desligar a sua produção durante duas horas, com todo o efeito bola de neve que isso irá provocar.

Segundo a European Network of Transmission System Operators for Electricity (ENTSO-E), o problema é amplificado pelo facto de a escuridão provocada pelo eclipse solar ocorrer de forma muito mais rápida e drástica que o pôr-do-Sol habitual.

Por outro lado, o facto de ocorrer a meio do dia tem um maior impacto sobre as práticas operacionais, uma vez que o consumo energético se encontra no seu pico – à noite, as necessidades energéticas são inferiores. “É o equivalente a termos dois nascer e pôr-do-Sol no mesmo dia”, continuou a ENTSO-E.

Em 2002, a energia solar representava apenas 0,1% da electricidade consumida, na Europa, a partir de fontes renováveis; hoje, este número subiu para os 10,5% – e 3% do total global de consumo energético na Europa.

“Este eclipse solar será um teste sem precedentes para o sistema energético da Europa e muito útil para compreendermos melhor a relação entre os objectivos muito ambiciosos da União Europeia e a segurança da operação [de energia] da qual os europeus dependem”, concluiu a associação.

Foto: NASA Goddard Space Flig / Creative Commons